Construção coletiva de propostas para o Ensino Médio

Construção coletiva de propostas para o Ensino Médio

Organização: FEUSP / ASHOKA / Campanha Nacional pelo Direito à Educação

Edição: Fundação Santillana

Ano: 2019

Material compila propostas que criam caminhos para a construção de um ensino médio democrático, inclusivo, integral e transformador.

Este documento decorre de uma série de encontros em diferentes regiões do país realizados entre outubro de 2018 e junho de 2019, com participação presencial e virtual de estudantes, educadores, pesquisadores, gestores e demais interessados no debate de propostas e busca de convergências em relação às políticas do Ensino Médio no país. O objetivo foi o de coordenar a construção coletiva de propostas para as políticas de Ensino Médio, engajando diversas organizações representativas dos agentes envolvidos e alinhadas em torno de princípios comuns: inclusão, democracia, contemporaneidade/ integralidade e transformação.

Fundação Santillana lança livro sobre a BNCC

Fundação Santillana realiza seminário sobre modelos emergentes de Educação

Nove conselheiros do CNE assinam artigos que documentam processos e demandas da Base Nacional Comum Curricular; lançamento ocorre dia 2 de setembro

São Paulo, 26 de agosto de 2019 - Um aprofundado registro histórico do processo de construção da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) da Educação Infantil e Ensino Fundamental no Conselho Nacional de Educação (CNE) está organizado na obra BNCC: Educação Infantil e Ensino Fundamental - Processos e demandas no CNE, publicada pela Fundação Santillana. Com artigos de nove dos mais importantes nomes da política educacional, o livro reúne reflexões acerca do tema, e coloca em perspectiva os desafios, sucessos e limitações do processo que culminou no documento que fundamenta as aprendizagens das primeiras etapas do Ensino Básico. O lançamento ocorrerá no dia 2 de setembro, na sede do CNE, a partir das 18h, e contará com a presença dos autores.

Para além do fato histórico, o registro da empreitada fornece um rico material para investigações e ponderações futuras, uma vez que compila pensamentos de figuras-chave da elaboração passados alguns meses da finalização do processo. Os textos registram as discussões sobre questões que, com frequência, se desviaram dos principais problemas da Educação Básica como evasão, repetência e baixa qualidade de ensino-aprendizagem.

Ivan Cláudio Pereira Siqueira, organizador da obra e membro do CNE, explica que a iniciativa de um livro com artigos escritos pelos conselheiros sobre a Educação brasileira surgiu logo após a votação final da base. “A Fundação Santillana propôs ao então presidente do CNE, Eduardo Deschamps, a escrita de um livro pelos conselheiros abarcando as distintas visões sobre o processo. O convite para escrever foi endereçado às conselheiras e aos conselheiros que participaram do percurso de elaboração da BNCC da Educação Infantil e do Ensino Fundamental com oferta de liberdade de escrita. O propósito central era constituir material de ‘viva voz’ desses protagonistas”, afirma Ivan Cláudio.

No artigo “BNCC: a escola, o currículo, a diversidade do Brasil e a sociedade do século 21”, escrito por Eduardo Deschamps, defende-se que, em muitos aspectos, a BNCC só é compreendida por aqueles que possuem formação ou atuam na área educacional. Segundo Deschamps, seria interessante empreender esforços para a elaboração de um documento complementar de leitura acessível aos pais ou responsáveis pelos estudantes, para permitir um acompanhamento mais próximo do processo de desenvolvimento de seus filhos.

Segundo o texto de Cesar Callegari, ex-presidente da Comissão da BNCC, a reforma do Ensino Médio e a Base precisam ser mais amplamente discutidas. Para ele, a defesa de uma Base como expressão dos direitos de aprendizagem preconiza sua enunciação para todo o Ensino Médio e não apenas para uma parte dele. “Os próximos tempos decerto revelarão se o que se produziu como BNCC, bem como o posicionamento dos diferentes atores nesse processo, terá representado, de fato, uma efetiva contribuição para uma Educação de qualidade como direito de todos os brasileiros”, afirma Callegari.

O livro explora ainda temas como a diversidade do Brasil e a autoafirmação da Educação Escolar Indígena. De acordo com o artigo de Gersem Baniwa, não há dados que indiquem a participação de indígenas nos processos de dois anos de consulta sobre a BNCC (2015 e 2016) sob a coordenação do MEC. No entanto, educadores indígenas e especialistas ofereceram importantes contribuições para a revisão do texto da BNCC da Educação Infantil e do Ensino Fundamental. A publicação vem na sequência de “Subsídios à Elaboração da BNCC: Estudos sobre temas estratégicos da parceria CNE e Unesco”, lançada no ano passado.

O livro “BNCC: Educação Infantil e Ensino Fundamental - Processos e demandas no CNE” está disponível para download gratuito no site da Fundação Santillana: http://mod.lk/bnccedu No site, também é possível consultar e baixar outras obras de referência sobre diversos temas relacionados à Educação brasileira, sempre com acesso gratuito: mod.lk/e-books

Serviço:

Lançamento do livro “BNCC: Educação Infantil e Ensino Fundamental - Processos e demandas no CNE”

Data: 02/09

Local: Conselho Nacional de Educação

Endereço: SGAS, Av. L2 Sul, Quadra 607, Lote 50 - 70200-670 - Brasília - DF | Horário: 18h.


Sobre a Fundação Santillana

A Fundação Santillana realiza e apoia iniciativas que contribuem para o desenvolvimento da Educação e da cultura. Para isso, incentiva a produção e difusão de conhecimento sobre temas centrais das políticas educacionais, do ensino e da aprendizagem.

Sua atuação enfoca a superação das desigualdades educacionais, baseada na certeza de que a Educação é o motor do desenvolvimento de um Brasil mais justo, democrático e sustentável. Por isso, as ações compreendem também a disseminação dos conhecimentos, para que gestores de instituições públicas e privadas, professores e toda a sociedade civil possam estar munidos de informações de qualidade para contribuir com a defesa da Educação de excelência para todos.

Fomenta o debate plural sobre desafios e soluções compartilhados por gestores, professores, pais e alunos em diferentes instâncias e regiões do País por meio da divulgação de análises, ideias, indicadores e boas práticas nas políticas públicas. Também incentiva premiações que buscam a valorização de professores e gestores.

Criada em 1979, atua na Espanha e em cinco países da América Latina. No Brasil desde 2008, trabalha em parceria com organizações nacionais e internacionais no desenvolvimento de projetos e obras de referência nas temáticas educacionais e da cultura.

Assessoria de imprensa

Ana Paula Fonseca – anapaula@danthi.com.br – 11 3812-7393/29 Reinaldo Adri – reinaldo@danthi.com.br – 11 3812-7393/25 Lúcia Martins – lucia@danthi.com.br – 21 3114-0779

Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019

Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019

Organização: Editora Moderna / Todos Pela Educação

Edição: Editora Moderna

Ano: 2019

Compilação dos dados estatísticos mais recentes disponíveis, indicadores e análises do cenário educacional brasileiro.

O volume é um valioso instrumento de consulta e de acompanhamento da evolução da qualidade da Educação no País, contribuindo para qualificar o debate e enriquecer a compreensão sobre as conquistas das décadas recentes, o quadro atual e as perspectivas futuras no ensino que é oferecido às crianças e aos jovens de todo o País. 

Ao mesmo tempo, é fundamental ressaltar que a proposta do Anuário vai muito além da compilação de dados estatísticos sobre a Educação brasileira. Por meio de indicadores e análises, bem como de cruzamentos a partir da base de microdados, buscamos apresentar um painel abrangente do cenário educacional. 

Nesse retrato, destaca-se um dos principais focos desta produção, que é jogar luzes sobre a grande desigualdade de oportunidades no acesso à Educação de qualidade. O Anuário adota como eixo estrutural o Plano Nacional de Educação (PNE) 2014- 2024, com suas 20 metas, que abrangem as várias etapas e modalidades de ensino, assim como a valorização dos professores, a gestão democrática e o financiamento do ensino público. 

Acima de tudo, queremos que o Anuário seja entendido como um serviço para a sociedade brasileira. Uma obra de referência que possa ser utilizada por seus diferentes públicos de interesse – jornalistas, pesquisadores e gestores, entre outros – no esforço coletivo de construção da Educação que almejamos para o Brasil, acima de qualquer contexto social, político e econômico.

Sem Educação não haverá futuro: uma radiografia das lições, experiências e demandas deste início de século 21

Sem Educação não haverá futuro: uma radiografia das lições, experiências e demandas deste início de século 21

Autor: Mozart Neves Ramos

Edição: Fundação Santillana / Editora Moderna

Parceria: Comunidade Educativa CEDAC

Ano: 2018

Livro reúne artigos sobre a Educação brasileira, a compreensão de seus avanços e desafios, e sugestões de aperfeiçoamento das políticas públicas.

O título do livro sintetiza bem a linha de pensamento do autor: Sem Educação não haverá futuro. Os 21 capítulos tratam de variados temas, da primeira infância à internacionalização das universidades, passando por análises da Educação na América Latina e experiências de sucesso no Brasil e no mundo.

Reúne uma coletânea atualizada e ampliada de alguns artigos de opinião que o autor publicou nos últimos três anos, sobretudo no Correio Braziliense e na IstoÉ, edição on-line. Como diz o subtítulo, ele procura apresentar uma radiografia das lições, experiências e demandas deste início de século nas áreas da Educação Básica e da Educação Superior, com foco particularmente no que ocorreu no País, mas sem deixar de lado algumas nações que vêm se destacando, e tomando como referência os resultados das avaliações internacionais.

Entre os destaques estão quatro grandes temas discutidos nos artigos do livro para o enfrentamento da agenda prioritária da Educação: o desafio da alfabetização; a questão da equidade e da qualidade do ensino; a formação de professores; e a preparação dos jovens para o mundo do trabalho.

O livro Sem Educação não haverá futuro é um convite ao debate e certamente provocará os leitores a proporem novas ideias para o futuro da Educação brasileira.

Educação em Debate: Um panorama abrangente e plural sobre os desafios da área para 2019-2022 em 46 artigos

Educação em Debate: Um panorama abrangente e plural sobre os desafios da área para 2019-2022 em 46 artigos

Organização: Editora Moderna / Todos Pela Educação

Edição: Editora Moderna

Ano: 2018

Artigos reúnem propostas que qualificam a discussão de ideias e soluções, baseadas em evidências, que possam impulsionar a qualidade da Educação.

A fim de fomentar e ampliar ainda mais o debate que embasou o Educação Já, o Todos Pela Educação, a Editora Moderna e a Fundação Santillana organizaram esta publicação, agregando propostas de grandes nomes da Educação brasileira com foco em políticas para a melhoria da qualidade de nosso sistema de ensino.

O convite a esses ilustres autores, acostumados a pensar nossa Educação, pedia que eles estabelecessem uma prioridade para a área no período 2019-2022, desenvolvendo-a na forma de artigo. Nossa intenção era de que os textos tivessem uma argumentação propositiva, independente de variáveis político-ideológicas. Desse modo, construído com base em um rico processo de escuta, acreditamos que este livro fortalece a pluralidade de ideias que sempre pautou o trabalho do movimento e da Editora Moderna.

É preciso dizer que essa escuta ativa e empática não se encerra aqui. Esperamos que esta obra cumpra o papel de inspirar todos os atores envolvidos com a Educação brasileira pública, colocando em debate esse tema tão fundamental para que construamos e tenhamos, em um futuro próximo, um Brasil menos desigual, mais justo, menos corrupto, mais saudável e mais seguro.

Razões e desafios do gestor da Educação: Dez entrevistas sobre a prática da Gestão Educacional

Razões e desafios do gestor da Educação: Dez entrevistas sobre a prática da Gestão Educacional

Organização: Cenpec

Edição: Fundação Santillana / Editora Moderna

Ano: 2018

Livro explora a “cabeça do gestor” por meio de entrevistas com educadores notáveis, de trajetórias e posições político-pedagógicas distintas.

O que faz um gestor educacional? Quem é ele? Como pensa e toma decisões? Sob que constrições? Que saberes e habilidades mobiliza para atuar frente às redes públicas de ensino? De que maneira se posiciona diante dos conflitos e das escolhas inerentes a sua atuação?

A publicação traz entrevistas com um grupo de dez educadores notáveis: Binho Marques, André de Figueiredo Lázaro, Joaquim Bento Feijão, Rita Coelho, Maurício Holanda Maia, Maria Helena Guimarães de Castro, Pilar Lacerda, José Henrique Paim Fernandes, Macaé Evaristo e Frederico da Costa Amâncio.

Eles trabalharam em diversas esferas públicas – federal, estadual e municipal –, têm trajetórias ímpares e posições político-pedagógicas distintas. Alguns são odiados e amados; outros, amados e odiados. E há aqueles que foram professores das redes que depois dirigiram.

No entanto, uma coisa todos têm em comum: nas últimas décadas da história da Educação brasileira estiveram à frente das principais experiências de mudança educacional, no centro de importantes implementações de políticas públicas, concebendo-as e/ou implementando-as para responder às necessidades do contexto e da Educação pública, enfrentando situações conflituosas e dificuldades da (má) estrutura do setor.

O objetivo deste trabalho é que os depoimentos contribuam para a reflexão e para a formação de gestores educacionais, dando visibilidade aos questionamentos teóricos daqueles que enfrentaram e enfrentam, cotidianamente, os dilemas das políticas de Educação no Brasil.

Subsídios à elaboração da BNCC: Estudos sobre temas estratégicos da parceria CNE e Unesco

Subsídios à elaboração da BNCC: Estudos sobre temas estratégicos da parceria CNE e Unesco

Autor: Ivan Cláudio Pereira Siqueira

Edição: Fundação Santillana

Parceria: Conselho Nacional de Educação

Ano: 2018

Livro reúne registros utilizados pelo CNE em parceria com a Unesco para subsidiar, aclarar conceitos e sugerir caminhos para temas da BNCC.

A publicação traz entrevistas com um grupo de dez educadores notáveis: Binho Marques, André de Figueiredo Lázaro, Joaquim Bento Feijão, Rita Coelho, Maurício Holanda Maia, Maria Helena Guimarães de Castro, Pilar Lacerda, José Henrique Paim Fernandes, Macaé Evaristo e Frederico da Costa Amâncio.

Mesmo considerando que são intransferíveis as sociabilidades e experiências históricas que emolduram as culturas nas quais as instituições escolares e seus modelos de Educação se sedimentam, não podíamos esquecer o caráter globalizante e a consistência similar das arquiteturas que produzem as circunstâncias mais apropriadas para o aprendizado em muitos lugares do mundo. Somos diferentes, mas somos humanos. Até porque já vai longe a possibilidade de um projeto de Educação ensimesmado, que desconsidere as dinâmicas globais e os imperativos de um ensino para um cenário em que a aldeia é global.

Os estudos aqui reunidos são parte dessa conjuntura. Reelaboradas para compor os capítulos deste livro, as pesquisas são colocadas à disposição dos educadores e da sociedade brasileira em formato destinado a um público mais amplo.

11º Prêmio Professores do Brasil – Finalistas 2018

11º Prêmio Professores do Brasil – Finalistas 2018

Organização: Ministério da Educação

Edição: Fundação Santillana

Ano: 2018

Volume reúne relatos de experiências de professores de todas as regiões do Brasil, finalistas do 11º Prêmio Professores do Brasil.

A 11ª edição do Prêmio recebeu mais de 4 mil trabalhos inscritos, que apresentaram uma multiplicidade de formas, conteúdos, envolvimento, resultados, cooperação, encantamento, aprendizagem, trocas e, principalmente, crescimento.

Avaliar cada um dos trabalhos exigiu, de todos os envolvidos, um olhar para os aspectos que tornam esse prêmio singular: a possibilidade de replicar a prática pedagógica descrita. São os relatos de quem faz a Educação acontecer em sala de aula que nos inspiram e fortalecem ainda mais a crença de que é possível uma Educação de qualidade para nossas crianças e nossos jovens.

O objetivo é que a divulgação dos projetos motive outros professores a continuar a busca do conhecimento e da troca de experiências, que é, sem dúvida, a melhor alternativa para criar possibilidades de escolha e atender aos diferentes momentos da dinâmica da sala de aula. Repensar a prática pedagógica leva a novos caminhos, e compartilhar experiências no Prêmio Professores do Brasil contagia seus pares a participar das próximas edições.

Primeira Classe: Como construir uma escola de qualidade para o século XXI

Primeira Classe: Como construir uma escola de qualidade para o século XXI

Autor: Andreas Schleicher

Edição: Fundação Santillana / OCDE

Ano: 2018

Livro compila experiências educacionais bem-sucedidas de líderes educacionais de 70 países, relatadas pelo criador do PISA.

Se alguns países poderiam implementar políticas para aumentar bons resultados e poderiam eliminar a divisão social nos resultados escolares, por que outros países não conseguiriam fazê-lo?

Num mundo em que as coisas fáceis de ensinar e testar também se tornaram fáceis de digitalizar e automatizar, nossa imaginação, nossa consciência e nosso senso de responsabilidade é que nos darão condições de aproveitar as oportunidades do século XXI para tornar o mundo melhor. As escolas de amanhã terão de ajudar os estudantes a pensar por si mesmos e a se juntar de forma empática a outros, no trabalho e na cidadania. Elas terão de ajudar os alunos a desenvolver um forte senso de certo e errado e sensibilidade às reivindicações de outros.

E do que as escolas necessitam para conseguir fazer isso? Andreas Schleicher, criador do Programa para a Avaliação Internacional de Estudantes (PISA) e uma autoridade internacional em política educacional, acompanhou líderes educacionais em mais de 70 países em seus esforços para criar e implementar políticas e práticas orientadas para o futuro.

Embora a melhora em Educação seja muito mais fácil de proclamar que de atingir, neste livro Schleicher analisa o máximo de casos bem-sucedidos com os quais podemos aprender. Isso não quer dizer “copiar e colar” soluções de outras escolas ou países, mas principalmente encarar com seriedade e de forma objetiva as boas práticas em nosso próprio país e nos demais, para compreender o que funciona e em que contextos.

Educação em pauta nas redações: a cobertura jornalística da educação – 2ª edição

Educação em pauta nas redações: a cobertura jornalística da educação – 2ª edição

Organização: Jeduca

Edição: Fundação Santillana / Editora Moderna

Ano: 2018

Guia reúne os principais desafios da Educação brasileira, e fornece subsídios técnicos e conceituais para reportagens e debates públicos.

Mesmo a Educação sendo uma área estratégica para o desenvolvimento do País, ainda não recebe na imprensa brasileira a mesma atenção que os assuntos de política, economia e esportes, por exemplo.

Neste guia, você vai encontrar subsídios técnicos e conceituais, além de dados numéricos que podem ser usados como referências para matérias de diversos assuntos. A intenção é fornecer informações, de forma clara e imparcial, para facilitar a produção jornalística.

Hoje, os grandes investimentos jornalísticos na área da Educação são menos frequentes. Mas, mesmo com a atual crise econômica e também da imprensa, com redução de profissionais nas redações, as matérias de Educação mantêm o prestígio e o interesse do público. A formação dos jornalistas que pretendem trabalhar na área, no entanto, não trilhou o mesmo caminho. Não há disciplinas de jornalismo de Educação nas faculdades nem cursos, mesmo que esporádicos, financiados por veículos de imprensa.

Educação nas eleições: guia de cobertura

Educação nas eleições: guia de cobertura

Organização: Jeduca

Edição: Fundação Santillana / Editora Moderna

Ano: 2018

Guia compila conceitos básicos e subsídios para o levantamento de pautas e produção de reportagens sobre Educação no contexto eleitoral.

A ideia do guia é colaborar para que Educação esteja mais presente no debate eleitoral de 2018. Por meio e subsídios técnicos e dados, o texto pretende ajudar jornalistas em suas matérias e dar ideias de pauta. Sem a pretensão de produzir um guia definitivo, a Jeduca buscou temas que marcaram presença no debate público nos últimos anos.

O material traz uma memória de campanhas eleitorais recentes e destrincha assuntos que podem surgir nas eleições, como a BNCC, a reforma do Ensino Médio e o Fies. Também há questões mais polêmicas, como doutrinação e bônus para professores, a outras mais técnicas, como mecanismos de financiamento e a valorização docente. Além de informação importantíssima para uma cobertura mais eficiente, a intenção é a de que o jornalista também possa ajudar a incluir a Educação no debate eleitoral deste ano.

Anuário Brasileiro da Educação Básica 2018 (Versão Atualizada)

Anuário Brasileiro da Educação Básica 2018 (Versão Atualizada)

Organização: Editora Moderna / Todos Pela Educação

Edição: Editora Moderna

Ano: 2018

Material oferece uma compilação de dados estatísticos mais recente disponíveis, indicadores e análises do cenário educacional brasileiro.

A proposta do Anuário vai muito além da compilação dos principais dados estatísticos sobre a Educação brasileira. O material é uma narrativa dos nossos desafios enquanto nação na busca por assegurar o direito à aprendizagem. Por isso, as tabelas e gráficos que fazem parte desta edição invariavelmente são acompanhados de textos explicativos, que enfatizam aspectos que precisam ser ressaltados, e também de artigos, com comentários de especialistas sobre grandes temas da Educação.

Há dois focos editoriais principais que se mantêm, a cada edição: o primeiro, naturalmente, diz respeito à própria natureza da publicação, que se orienta para o acompanhamento das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024. O segundo foco do Anuário projeta luzes sobre as desigualdades que caracterizam nosso sistema de ensino.

Dessa forma, queremos que o Anuário seja entendido como um serviço para a sociedade brasileira, permitindo a construção de melhores reportagens (para os jornalistas), melhores políticas públicas (para os legisladores e gestores do Executivo), informações de qualidade (para os pesquisadores), pontos de vista mais embasados para todos, ampliando a consciência da sociedade sobre o quadro da Educação brasileira.

BNCC – A Base Nacional Comum Curricular na prática da gestão escolar e pedagógica

BNCC – A Base Nacional Comum Curricular na prática da gestão escolar e pedagógica

Organização: Tereza Perez

Edição: Fundação Santillana / Editora Moderna

Parceria: Comunidade Educativa CEDAC

Ano: 2018

Material dá subsídios para que diretores de instituições de ensino públicas e privadas possam pensar a implementação da BNCC nas escolas.

A publicação foi concebida com o propósito de contribuir para ampliar a reflexão dos gestores escolares e de suas equipes em torno das intencionalidades educativas a serem asseguradas no ensino pautado pelas competências expressas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

A obra se propõe a apoiar as equipes gestoras que se veem diante do desafio de orientar professores na implementação da BNCC e dos novos currículos que serão elaborados à luz dela. No verso da capa do livro, vocês encontram um diagrama que representa a complexa rede de atores mobilizada no processo de ensino e aprendizagem. Ele mostra a articulação que se faz necessária entre as ações desses atores, pois, para que essa engrenagem funcione, todos devem ter como fonte de sentido a aprendizagem das crianças e dos jovens.

Como pano de fundo de todo o livro está a correlação entre a forma de ser, ensinar e agir dos educadores e o modo de ser, aprender e agir das crianças e jovens. A ideia aqui subjacente é que, se queremos que todos os estudantes desenvolvam tais competências ao longo da escolaridade, é preciso que os educadores as coloquem em prática em seu dia a dia e na rotina escolar, para que elas não se transformem apenas em objeto de discurso.

Livro aponta caminhos para promover diálogos entre escolas e famílias

Livro aponta caminhos para promover diálogos entre escolas e famílias

Publicação da Fundação Santillana e da Moderna em parceria com a Comunidade Educativa Cedac sugere roteiros para que escolas conversem sobre problemas com as famílias dos alunos

São Paulo, 3 de junho de 2019 – “Aquela mãe acha que sabe mais que a escola”. “O coordenador fica naquele blá-blá-blá e não resolve nada”. As frases vêm de lados opostos da relação entre família e escola, e fazem parte do cotidiano de quem se preocupa com o que acontece no espaço escolar. Mas como construir soluções para que famílias e escolas possam, juntas, promover a melhor educação para crianças e jovens?

O livro “Diálogo escola-família”, publicado pela Fundação Santillana e pela Moderna em parceria com a Comunidade Educativa Cedac, traz uma série de reflexões sobre esses tipos de problemas, e propõe roteiros para que os temas sejam abordados. Organizada pela educadora Tereza Perez, diretora do Cedac, a obra foi pensada para auxiliar diretores de escolas públicas ou particulares a aprimorar a relação com as famílias dos estudantes.

A partir da história da instituição escolar articulada com a da instituição familiar, são abordadas as mudanças nas demandas sociais que ajudam a entender quem são as crianças, adolescentes e jovens que frequentam a escola no século 21. Em seguida, o livro apresenta situações práticas do cotidiano da gestão escolar, seguidas de uma breve conceitualização sobre os temas trabalhados e de sugestões de caminhos possíveis com base em experiências positivas de ações transformadoras.

Na segunda metade do livro são apresentadas propostas práticas: estratégias para lidar com situações comumente enfrentadas nas escolas. Por exemplo: como lidar com a superproteção de pais em relação aos filhos? Qual é o papel da família em relação à lição de casa? Repleto de diagramas e quadros de ações, o livro parte de casos reais para propor caminhos para que diretores promovam ações em suas realidades.

No final, a obra registra uma experiência real de transformação da relação entre escola e famílias ocorrida no município de Casimiro de Abreu, Rio de Janeiro. É uma amostra de como oferecer um espaço de encontro e manter o diálogo aberto permite trazer para o centro das discussões aquilo que importa para o desenvolvimento de crianças, adolescentes e jovens, fazendo com que educadores e familiares se apoiem, compartilhem desafios e atuem juntos. Inclui, ainda, uma apresentação digital com vários materiais pensados para apoiar a implementação das ações propostas e que pode ser acessada gratuitamente em link disponível no livro.

“Não é fácil nem simples tratar da relação entre escola e famílias, porque, quanto mais conhecemos as duas instituições, mais complexo é explicitar as diferentes possibilidades de tessitura desse relacionamento. Este livro parte do entendimento de que a escola presta um serviço à comunidade e às famílias e é corresponsável por ensinar e educar as crianças, os adolescentes e os jovens. Seja privada ou pública, seu papel e seu compromisso não mudam”, afirma Tereza Perez, organizadora da obra.

O livro “Diálogo escola-família: Parceria para aprendizagem e o desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens” está disponível para download gratuito nos sites da Fundação Santillana e da Moderna: https://www.moderna.com.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A808A826AE59BA7016B089BE2741698.

Sobre a Fundação Santillana

A Fundação Santillana dedica-se à produção, organização e difusão de informações que contribuam para que a Educação alcance os desejados padrões de qualidade e equidade. Constituída em 1979, atua na Ibero-América e no Brasil, aonde chegou em 2008. Por meio de suas publicações, cursos, seminários e oficinas e de parcerias com organizações nacionais e internacionais, busca compartilhar experiências inovadoras e difundir informações relevantes para a promoção do direito à Educação, componente indispensável para o fortalecimento de sociedades democráticas, justas e sustentáveis.

Sobre a Moderna

A Moderna atua há mais de 50 anos com o compromisso de educar para um mundo em constante movimento, compreendendo cada ecossistema formativo para ajudar a construir projetos de vida alinhados às expectativas de cada indivíduo. Com uma equipe de autores e especialistas que conhecem as necessidades do brasileiro e das instituições de ensino públicas e privadas, a Moderna investe em pesquisas, inovações e novas metodologias para criar e elaborar conteúdos didáticos, literários e projetos educacionais efetivos. Assim, ao lado de escolas e famílias, desenvolvemos habilidades, competências e valores para os desafios pessoais e profissionais que estão por vir.

Desde 2001, como parte da Santillana, grupo editorial e de educação presente em 22 países, a Moderna contribui com projetos sociais de fomento à educação e à cultura, em parceria com a Fundação Santillana e outras entidades do setor. Também apoia a formação de professores e gestores, com a realização de cursos, oficinas e seminários gratuitos e a disponibilização de obras de referência para fomentar reflexões e políticas públicas em prol da melhoria da qualidade do ensino.

Assessoria de imprensa

Ana Paula Fonseca – anapaula@danthi.com.br – 11 3812-7393/29

Reinaldo Adri – reinaldo@danthi.com.br – 11 3812-7393/25

Lúcia Martins – lucia@danthi.com.br – 21 3114-0779

Reflexões sobre Justiça e Educação

Reflexões sobre Justiça e Educação

Organização: Editora Moderna / Todos Pela Educação

Edição: Editora Moderna

Ano: 2017

Obra reúne artigos de especialistas que qualificam o debate sobre o papel do sistema de Justiça na garantia do direito à Educação de qualidade.

O livro é uma iniciativa do Todos Pela Educação para qualificar o debate sobre o papel do sistema de Justiça na garantia do direito à Educação de qualidade. A obra, publicada com o apoio da Editora Moderna, apresenta um estudo sobre a judicialização da Educação Básica no Brasil encomendado pela Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação (CNE) e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) à advogada Alessandra Gotti, doutora e mestre em Direito Constitucional.

Em torno dele, especialistas da área educacional, de colegiados representativos da gestão pública, do CNE, do Supremo Tribunal Federal, do Ministério Público e do Ministério Público de Contas traçam um panorama histórico, identificam tendências e expõem reflexões e propostas.

Sobrevivendo nas Redes: Guia do Cidadão

Sobrevivendo nas Redes: Guia do Cidadão

Autores: Bernardo Sorj / Francisco Brito Cruz / Maike Wile dos Santos / Marcio Moretto Ribeiro / Pablo Ortellado

Edição: Fundação Santillana / Editora Moderna

Ano: 2018

Guia apresenta ferramentas digitais utilizadas diariamente por todos, e oferece orientações para interagir de maneira crítica.

Em uma sociedade democrática, a convivência exige disposição para aprender com outras pessoas e capacidade de ouvir opiniões em desacordo com as nossas; é preciso cuidado para não se deixar levar pelo efeito de manada, mantendo-se aberto ao dissenso.

Sem compromisso com correntes partidárias, este guia descreve como funcionam as ferramentas digitais que utilizamos no dia a dia para nos informarmos e posicionarmos politicamente. Ele visa contribuir para o fortalecimento da cultura cívica no Brasil e se destina a todos os cidadãos, mães, pais e professores, pois acreditamos que a capacidade de interagir de maneira crítica e responsável com as informações que circulam na Internet merece um lugar no currículo escolar e em casa, e deve orientar a participação de cada indivíduo no espaço público.

Por um Sistema Nacional de Educação

Por um Sistema Nacional de Educação

Autor: Carlos Roberto Jamil Cury

Edição: Editora Moderna / Fundação Santillana

Parceria: Todos Pela Educação

Ano: 2010

Livro apresenta história do PNE, bem como reflexões do autor sobre o próximo Plano e propostas para um novo documento

O Professor Jamil Cury vai além e entende que o Todos Pela Educação, como movimento da sociedade civil, difundindo suas metas e objetivos por diferentes meios de comunicação, pode ter um papel importante na mobilização social pela Educação.

Para ele, “quando a sociedade civil pega para valer uma determinada bandeira, é difícil que ela não ressoe nos espaços de governo e, portanto, naqueles que são diretamente responsáveis pela execução das políticas públicas”.

Esta publicação, editada em parceria com a Fundação Santillana, traz a íntegra da palestra e uma entrevista exclusiva concedida pelo Professor Jamil Cury ao Todos Pela Educação. Com ela, pretendemos contribuir para a disseminação e a democratização das ideias que nortearão as discussões da próxima Conae e do futuro Plano Nacional de Educação.

A obra apresenta um pouco da história do Plano Nacional de Educação e várias ideias do Professor Jamil Cury para subsidiar a elaboração de um novo PNE (2011—2020) que seja enxuto, federativo, democrático e complementado por uma Lei de Responsabilidade Educacional.